segunda-feira, 22 de setembro de 2008

A Fonte do Espinheiro

Já passaram mais de 20 anos desde a minha primeira visita a Rebordainhos e sempre ouvi falar desta fonte com saudade e carinho, infelizmente nunca tinha satisfeito a minha curiosidade em relação a ela, já não existia e fotografias dela (familiares e amigos mais próximos) ninguém tinha. Decorridos tantos anos chega às nossas mãos uma foto da Fonte do Espinheiro enviada pela Regina Céu Fernandes a quem muito agradeço por me satisfazer a curiosidade de tantos anos e que aqui compartilho de imediato com todos.

Fonte do Espinheiro
penso ser a foto pertença da Srª. D. Maria Lopes
(solicito a colaboração da Regina para o confirmar bem como para a autoria dos versos)


A Fonte do Espinheiro
Tem duas pedras de assento
Uma é p'ra namorar
Outra é p'ra passar o tempo

Adeus Fonte do Espinheiro
Minhas costas vou virando
Minha boca se vai rindo
Meu coração vai chorando



Satisfeita a minha curiosidade, cabe agora dizer que a mesma era realmente merecedora do orgulho e carinho que sentiam por ela, penso que se trata de uma "Fonte de Mergulho" embora não veja o tanque que lhe costuma estar associado, (mas não sou entendido no assunto) , não me recordo qual o motivo da mesma ter sido desmantelada, certamente em nome do progresso, pois na altura não era frequente dar o devido valor ao Património.
Mas pode ser que nem tudo esteja perdido, pois recordo ter escutado o actual Presidente da Junta de Freguesia dizer que era um dos seus projectos reconstruir a mesma, ao que alguém presente (não me recordo quem) acrescentou saber onde se encontravam algumas pedras. Espero que o projecto de reconstrução vá por diante e que todos colaborem com a Junta de Freguesia para a sua concretização.
Se alguém possuir mais fotos da fonte, agradecemos que nos cedam para aqui as divulgarmos.


8 comentários:

Olímpia disse...

Foi com muita alegria que, através desta fotografia, recordei a fonte do Espinheiro.
Era linda e, quando era garota, costumava exercitar a passagem dum lado para o outro da fonte, por cima do seu arco.Este, parecia-me enorme e,o seu percurso, não me era nada fácil.
Na fotografia, não se vê o tanque mas, ele existia.Era onde as mulheres da aldeia lavavam a roupa, a água corria deste para uma poça ,para depois ser aproveitada para a rega pelas pessoas que constavam no "rol"dessa poça.Este rol, julgo que era elaborado pelo presidente da junta de Freguesia.
Olímpia

Lurdes disse...

João
Lembro-me bem desta fonte e essa fotografia senão é a mesma é uma muito parecida com uma que um dia o meu tio António o fundador da ASCRR me mostrou (o senhor que está de pé em frente ao arco é o meu tio João) os versos também, penso que foi ele que os escreveu.

Lurdes

céu disse...

João,
Obrigada mais uma vez por esta divulgação.
Estou certa que muitas pessoas vão gostar de a ver.
A foto foi mesmo cedida pelas filhas da Srª. Dª. Maria Lopes ao Bino.
Por sua vez, o Bino emprestou-a para se reproduzida, à família Gomes, pois duas das pessoas são o Manuel e o José (chefe) Gomes, o tio João Santacombinha, e como diz a Lurdes, o tio João (sapateiro). A mim, cedeu-ma a tia Julieta.
A descrição feita pela Olímpia está perfeita.
Céu

Baptista disse...

Caro João:
A Olímpia, a Lurdes e a Céu já falaram tudo sobre a fonte.
A mim cabe acrescentar que em 1986, quando voltei a Rebordainhos depois de 10 anos de ausência, conversei com meu pai sobre o assunto e ele me indicou o meu primo Gilberto (Tição) para me pôr a par de tudo, pois ele teria sido a única voz discordante numa reunião popular para decidir sobre a destruição ou não de um dos mais belos patrimónios da aldeia.
Conversei com o Gilberto que me disse que a maioria dos que votaram contra a fonte, haviam se arrependido quando viram o vazio que ficou no local e ele estava se esforçando para tentar a reconstrução. Isso é uma parte do que lembro. Outras lembranças estão meio confusas na minha cabeça. Vou tentar ordená-las e voltarei ao assunto.
abraços
César

J. Stocker disse...

Olímpia, Lurdes e Ceu

Agradecido pelo vosso comentário, este é um Post em que gostava de ver muitos comentários, mesmo daqueles que visitam o Blog (e não são poucos) mas nuca deixaram nenhum comentário. Era bom que a nossa Junta se sentisse muito apoiada para concretizar esta aspiração de muitos naturais de Rebordaínhos.
O comentário do César veio dar uma contribuição valiosa sobre o assunto, obrigado a ele. Esperemos que nos diga mais se se lembrar.
Lurdes, vê se consegues saber se a foto é mesmo igual, se não o for, tenta arranjares a mesma para aqui ser divulgada se fizeres o favor.
Já agora acrescento mais um pormenor do qual não tenho a certeza, mas que também poderá ajudar a demonstrar a consensualidade do projecto. Penso ter ouvido que já o Carlos Pereira, quando esteve na Junta falar no assunto. Alguém poderá confirmar?
Toda a informação complementar poderá ser aqui deixada nos comentários ou enviada para o e mail que consta no Blog de Rebordaínhos, e será muito bem acolhida.
Agora só nos resta pedir à Milita que é a Secretária da Junta e membro do Blog de Rebordaínhos, que faça o favor de nos informar qual a posição do assunto e em que é que nós poderemos ajudar?

Um abraço para todos

Fátima disse...

Eu já não percebo nada!

A mim, o sr. João Sapateiro parecia-me o sr. Santacombinha. Também estarei mal quando identifico o da ponta esquerda como sendo o Sr. Gomes?

Quem me ajuda, escrevendo tudo direitinho da esquerda para a direita?

Indo, agora, ao Espinheiro: o que eu esbaraba pelas paredes, de pequena que era, a tentar passar de um lado para o outro da fonte! Mas a saltar o tanque ninguém me batia!

O Espinheiro era um sítio de frescura, cantigas e alegria. De descoberta também, porque quando se limpava a fonte permitiam que a canalha entrasse lá dentro para lhe descobrir as entranhas. Que deleite!

Esta fotografia tem, para mim, o valor de uma preciosidade. Bem-hajas porque a mandaste, Céu.

Lurdes disse...

Então aqui vai Fátima, da esquerda para a direita: o meu tio Zé Gomes, o Sr. Santacombinha, o meu tio João Pereira e o meu tio Manuel Gomes.

Beijos

Lurdes

Fátima disse...

Obrigada, Lurdes!

Mas peço que confirmes (só por preguiça): dos teus tios Gomes, o Manuel é o "Bóto" e o José é o "Chefe". O Sr. José é o pai da Lucinda,Jorge, etc. e o Sr. Manuel é o pai da Isabel, Alexandra, etc.Estou certa?

Se me não tens feito a sequência, nunca chegaria ao Sr. Manuel. Depois de saber é que reparei nas semelhanças com o filho Tonho (se é que não estou a inventar). Ao Sr. João Santacombinha é que não o descobria, mesmo!

Obrigada, de novo, e beijos